Economia

Material escolar: Procon Goiás aponta variação superior a 500%

Publicado

em

Maior diferença foi registrada no preço do lápis preto da Faber Castell, comercializado de R$ 0,30 a R$ 2,00. Realizada nos dias 3 e 4 de janeiro em 15 estabelecimentos de Goiânia, pesquisa destaca 79 itens

Com o objetivo de auxiliar os pais na busca pela economia, o Procon Goiás divulgou nesta terça-feira (09/10) uma pesquisa de preços de material escolar. O levantamento destaca 79 itens e foi realizado nos dias 3 e 4 de janeiro em 15 estabelecimentos de Goiânia. O material completo, com relatório e planilhas, está disponível no site https://goias.gov.br/procon/.

A maior variação encontrada pelos fiscais do Procon foi de 566% no lápis preto da Faber Castell, comercializado nas papelarias da capital de R$ 0,30 a R$ 2,00. O preço da lapiseira 7mm variou de R$ 2,50 a R$ 14,60, uma diferença de 484%. A cola branca líquida 90g, outro item essencial no estojo das crianças, apresentou diferença de preço superior a 430% entre os estabelecimentos, sendo comercializada de R$ 2,49 a R$ 13,25. Já o caderno espiral capa dura 1 matéria foi encontrado pelos pesquisadores com valores de R$ 8,90 a R$ 26,90, uma oscilação superior a 200%.

READ  Contas públicas têm déficit de R$ 65,5 bilhões em junho

Variação entre 2023 e 2024
Na comparação entre 2023 e 2024, os preços médios dos produtos, individualmente, apresentaram aumento superior a 100%. É o caso do preço do estojo da Barbie, que variou de R$ 24,90, ano passado, para R$ 49,90, neste ano. Outro produto com aumento anual expressivo, superior a 38%, foi o giz de cera com 12 unidades da Faber Castell. Em 2023, o preço médio era de R$ 8,65 e agora, em 2024, passou para R$ 11,94. No entanto, houve redução de preço em alguns produtos, como a cola bastão 20g. Em 2023, o preço médio era de R$ 10,93 e este ano caiu para R$ 8,43.

Lista de material escolar
O valor da mensalidade escolar é definido com base na planilha de custos, que inclui todas as despesas de custeio, ou seja, os materiais de uso coletivo. Desta forma, não devem constar produtos que não sejam para uso específico do aluno nas listas solicitadas pelas escolas. O colégio não pode pedir material como álcool, tinta para impressora, papel higiênico, por exemplo.

READ  Goiás atinge 1 milhão de vacinados com primeira dose contra Covid-19

Questione junto à escola quando surgir dúvidas sobre a finalidade de um item solicitado. Por exemplo, há casos em que uma pequena quantidade de copos descartáveis ou pequena quantidade de papel higiênico seja utilizado para trabalhos de arte com colagem e pintura, e não necessariamente para uso pessoal coletivo. Vale lembrar que a escola também não pode exigir marca, modelo ou determinar o local da compra do material escolar. Cabe aos pais adquirirem os produtos nos estabelecimentos de sua preferência.

Dicas para economizar
Antes de ir às compras, pesquise os preços para que não pese no orçamento familiar. Algumas lojas concedem descontos para compras em grandes quantidades, portanto, sempre que possível, reúna grupo de consumidores e discuta sobre essa possibilidade com os estabelecimentos. É importante também que os pais verifiquem quais os itens que restaram do período letivo anterior (tesouras, pastas, estojos de lápis de cor, canetas) e avaliem a possibilidade de reaproveitá-los.

Fotos: Procon Goiás / Procon Goiás – Governo de Goiás

Comentários do Facebook
Propaganda

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA