Saúde

Governo de Goiás alerta sobre avanço dos casos de dengue

Publicado

em

Estado está em situação de emergência devido à predominância do sorotipo 2 da doença, que é mais agressivo e não circulava em Goiás há 15 anos

O Governo de Goiás convoca gestores municipais, profissionais de saúde e população em geral a unirem forças para prevenir e enfrentar as doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti, em especial a dengue e a chikungunya. O secretário de Estado da Saúde, Rasível dos Reis, fez um alerta nesta quinta-feira (01/02), durante entrevista coletiva, de que o Estado está em situação de emergência devido à predominância do sorotipo 2, que não circulava em Goiás há 15 anos. Esse subtipo é mais propenso a causar casos graves da doença e a atingir grande parte da população, principalmente crianças e adolescentes.

A Secretaria de Estado da Saúde confirma uma morte por dengue – outras 29 estão sob investigação. A pasta coordena e incentiva a instalação de Gabinetes de Combate à Dengue, espaços destinados a receber dados sobre a doença, demandas por internação e sobre a necessidade de insumos e panorama da doença. As equipes se reúnem nos gabinetes duas vezes por dia, para avaliação do cenário epidemiológico e tomada de decisões. Fazem parte dos gabinetes ainda representantes da Defesa Civil do Corpo de Bombeiros, que auxiliam nas ações mobilização da população, limpeza e combate ao aedes aegypti nos municípios.

READ  Governo de Goiás entrega mais de 180 mil kits de materiais escolares para municípios goianos

Até o momento, 51 gabinetes já foram instalados. Com o objetivo de ampliar essa estratégia, a SES já capacitou representantes de 91 municípios considerados de alto risco para o desenvolvimento da dengue. Na semana passada, o governador Ronaldo Caiado promoveu uma reunião com prefeitos e secretários municipais de saúde dos 246 municípios, e solicitou o empenho de cada um para a instalação e pleno funcionamento dos Gabinetes de Combate à Dengue.

A SES também está investindo na capacitação de médicos e enfermeiros sobre o manejo clínico da dengue. Rasível dos Reis acentua que a doença tem uma evolução rápida e que é fundamental que o paciente seja hidratado. “As unidades de saúde devem disponibilizar a água para as pessoas com sintomas de dengue. Esse procedimento simples é o primeiro passo para evitar a desidratação”, sublinhou o secretário. Ele acentuou que gestores e profissionais de saúde devem atuar de forma efetiva, tendo em vista que as mortes por dengue são evitáveis.

A superintendente de Vigilância em Saúde da SES, Flúvia Amorim, informa que a situação de emergência em Goiás já era esperada e que, desde o ano passado, vem alertando os gestores municipais sobre a possibilidade de uma epidemia de dengue no Estado. O atual panorama, conforme a superintendente, é resultante de vários fatores. Além da circulação do sorotipo 2, contribui para o avanço de casos a ocorrência do fenômeno El Niño, caracterizado pela predominância de chuvas irregulares.

READ  Pesquisadores do Brasil e Reino Unido lançam livro sobre Medicina e Ciência da Dança

As autoridades de Saúde também alertam a população para o avanço dos casos de chikungunya, caracterizada por fortes dores nas articulações e que exigem maior tempo de tratamento e hospitalização. Uma das medidas mais efetivas para a prevenção da dengue continua sendo a limpeza de objetos que acumulem água parada e que se transformam em criadouros do mosquito. Flúvia Amorim orienta a população a reservar dez minutos por semana para a vistoria e limpeza nas residências – 75% dos criadouros do vetor da dengue, chikungunuya e zika estão dentro das casas.

Fotos: Iron Braz / Secretaria de Estado da Saúde – Governo de Goiás

 

 

Comentários do Facebook
Propaganda

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA