Cultura

Fica 2024 terá Mostra de Cinema Indígena e Povos Tradicionais

Publicado

em

A Mostra de Cinema Indígena e Povos Tradicionais é uma das novidades da 25º edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica). A mostra, que é competitiva, tem o objetivo de fortalecer a produção audiovisual feita por pessoas que fazem parte das comunidades e territórios, e tem a artista visual, cineasta, escritora, antropóloga e pesquisadora baiana Glicéria Tupinambá, conhecida como Célia Tupinambá, como curadora.

 

O Fica será na cidade de Goiás, de 11 a 16 de junho, e é uma realização do Governo de Goiás, por meio da Secretaria da Cultura (Secult), em correalização com a Universidade Federal de Goiás (UFG), por meio da Fundação Rádio e Televisão Educativa (RTVE).

 

MOSTRA DE CINEMA INDÍGENA

Foram selecionados para esta mostra nove filmes, sendo três longas e seis curtas-metragens. O diretor de programação do festival, Pedro Novaes, explica que, apesar de as edições anteriores do Fica terem tido filmes indígenas na mostra principal, esse ano a criação de uma mostra específica é pautada pela necessidade de ampliar a visibilidade e o reconhecimento das produções indígenas e de comunidades tradicionais, como os quilombolas e ciganos.  

 

“Existe uma produção muito grande de filmes feitos sobre as comunidades, mas buscamos especialmente os que são feitos por pessoas que fazem parte dessas comunidades. O audiovisual se tornou uma ferramenta importante para essas comunidades na luta por direitos, pelos territórios, e a gente achou que era o momento de criar um espaço que pudesse dar a relevância que essa produção merece”, avalia Novaes.

READ  Luana do Crato humorista do Ceará, fez bonito no 10 ou mil no Programa do Ratinho

 

As obras da Mostra de Cinema Indígena e Povos Tradicionais passaram pela avaliação e curadoria de Célia Tupinambá, integrante da comissão de seleção e indígena da Terra Tupinambá de Olivença, no sul do estado da Bahia. Para ela, o trabalho do audiovisual potencializa as lutas, sensibiliza e mostra que existe outra dinâmica e outro olhar sobre essas comunidades. 

 

“O audiovisual chega rápido, chega nos espaços e promove a desconstrução do pensamento colonial, e descolonizar muitas das vivências das vidas das pessoas é necessário. O festival tem uma ampla abrangência sobre todas as demandas que são pautadas pelas sociedades minoritárias e a minha participação traz um olhar de comunidade, de luta, de resistência, de mostrar um pouco”, detalha Célia.

 

GLICÉRIA TUPINAMBÁ

Glicéria Tupinambá, também conhecida como Célia Tupinambá, é artista visual, cineasta, professora e atualmente cursa mestrado em Antropologia Social no Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Ela é da aldeia Serra do Padeiro, localizada na Terra Indígena Tupinambá de Olivença, no sul do estado da Bahia,e participa intensamente da vida política e religiosa de seu povo.

 

Representante dos Tupinambás junto à Organização das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), Célia também foi protagonista da retomada da confecção dos mantos Tupinambá, objetos rituais que foram levados do Brasil para a Europa no período colonial. Ela aprendeu a confeccionar o artefato em 2006 e tornou-se a primeira mulher a construí-lo em mais de 400 anos. 

READ  Dia de Finados: Procon Goiânia encontra variação de até 110,8% no preço de flores tradicionais

 

Célia também encabeçou as negociações para repatriar ao Brasil, em 2024, o manto Tupinambá que se encontra atualmente no Museu Nacional da Dinamarca, em Copenhague.  Este ano também representou o Brasil na 60ª Bienal de Veneza com  a exposição Ka’a Pûera: nós somos pássaros que andam. 

 

Em 2021, Célia foi curadora da exposição “Kwá yapé turusú yuriri assojaba tupinambá | Essa é a grande volta do manto tupinambá”, na Funarte Brasília. Recentemente, foi vencedora da 10ª edição da Bolsa de Fotografia ZUM/IMS com o projeto “Nós somos pássaros que andam”. Realizou, em 2015, o documentário “Voz das Mulheres Indígenas“, que reúne depoimentos de mulheres indígenas na Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Alagoas.

 

EVENTO MULTICULTURAL

O Fica 2024 traz uma vasta programação gratuita, com mostras competitivas, debates com grandes nomes do cinema nacional e internacional, atividades de cunho ambiental e atrações culturais. 

 

O festival conta com apoio do programa Goiás Social; das secretarias de Estado da Retomada; de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti); e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad); Saneago; Universidade Estadual de Goiás (UEG), Instituto Federal de Goiás (IFG); Serviço Social do Comércio (Sesc) e Prefeitura da cidade de Goiás.

 

Este ano o evento também tem como apoiadores a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco),  Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Grupo Kelldrin e Saga BYD.

Comentários do Facebook
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA