Economia

Goiás lidera geração de empregos no Centro-Oeste pelo terceiro ano consecutivo

Publicado

em

Setor de serviços é maior destaque em 2023; novo Caged ainda aponta aumento do estoque de vínculos celetistas no estado

Pelo terceiro ano consecutivo, Goiás é líder na geração de empregos da região Centro-Oeste. Dados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego, comprovam que o estado fechou 2023 com saldo positivo de 50.276 oportunidades. Na sequência, estão Mato Grosso (40.726), Distrito Federal (36.968) e Mato Grosso do Sul (27.986). Em nível nacional, o território goiano é o 9º que mais gera postos formais de trabalho.

Governador Ronaldo Caiado visita usina de etanol inaugurada em Aporé, no ano passado: alta na geração de empregos reflete sucesso de políticas públicas

Governador Ronaldo Caiado visita usina de etanol inaugurada em Aporé, no ano passado: alta na geração de empregos reflete sucesso de políticas públicas

“Goiás desponta de forma positiva na região Centro-Oeste desde o auge da pandemia de Covid-19, em 2021. Foi exatamente neste período que intensificamos ações em prol da geração de empregos, como o trabalho de fortalecimento de pequenas empresas e a atração e expansão de indústrias, como ocorreu em Aporé e Catalão, por exemplo”, afirma o governador Ronaldo Caiado.

READ  Empresas do Simples podem ganhar dois meses para regularizarem débitos

No primeiro município, foi instalada uma usina de etanol do grupo Nardini Agroindustrial, em maio do ano passado, com expectativa de geração de 2 mil empregos diretos e indiretos. Em Catalão, a HPE Automotores, representante das marcas Mitsubishi Motors e Suzuki Veículos, completou 25 anos como uma das maiores geradoras de emprego e planos de ampliação do portfólio. Também foi intensificada prospecção de empresas chinesas.

“Essa posição de Goiás é o reflexo de investimentos estratégicos e de políticas públicas implementadas pela gestão para qualificar e direcionar os goianos para melhores oportunidades de emprego. Ela reflete não apenas o potencial econômico do estado, mas também a sua capacidade de atrair e promover novas oportunidades em diversos setores”, destaca o secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima.

O saldo positivo em Goiás é a diferença entre admissões (912.719) e desligamentos (862.443) registrados ao longo de todo o ano passado. O destaque é o setor de serviços, responsável pela geração de 28.791 empregos formais. O segmento foi impulsionado, principalmente, por atividades envolvendo informação, comunicação, ações financeiras e imobiliárias. Depois, aparecem comércio (10.861) e indústria (7.660).

READ  Procissão do Fogaréu volta a ser protagonista cultural na Cidade de Goiás

“O setor de serviços em Goiás completou, em novembro, 34 meses ininterruptos de alta. Isso é fruto do trabalho contínuo do governo com os empresários. Destaco a importância do setor de serviços para ajudar a alavancar o PIB goiano, gerando renda e milhares de empregos para a população”, complementa o secretário de Indústria, Comércio e Serviços, Joel de Sant’Anna Braga Filho.

Estoque
O novo Caged ainda aponta uma crescente anual constante no estoque de empregos em Goiás. O indicador mostra a quantidade total ativa de vínculos celetistas, que atualmente está em 1.429.809. Em 2020, o estoque era de 1.117.679, aumento de 252.130 no período de três anos. Significa dizer que Goiás aumentou em 21,4% o número absoluto de carteiras assinadas.

Foto: Wesley Costa / Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás

 

 

Comentários do Facebook
Propaganda

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA