Economia

Goiás bate recorde e tem maior número de trabalhadores da história

Publicado

em

Dados da PNAD são relativos ao quarto trimestre de 2023. Com 3,8 milhões de pessoas ocupadas, Goiás também alcançou o quarto maior nível de ocupação do país

Goiás bateu mais um recorde e atingiu a marca de 3,848 milhões de goianos ocupados no quarto trimestre de 2023. Esse foi o maior número de toda série histórica, que foi iniciada em 2012, conforme apuração do Instituto Mauro Borges (IMB), com dados da Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Com o resultado, o estado alcançou o quarto maior nível de ocupação do país, com 63,6%, ficando atrás apenas do Mato Grosso do Sul (63,9%), Santa Catarina (66,1%) e Mato Grosso (66,2%). Além disso, Goiás também superou a média brasileira (57,6%) e atingiu o segundo melhor resultado da série histórica goiana.

Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o crescimento no número de ocupados no estado foi de 5,3%. Isso corresponde a um incremento absoluto de cerca de 192 mil pessoas ocupadas, e coloca Goiás na segunda posição entre os estados com maior crescimento em todo o país.

READ  Governo de Goiás lança edital para sorteio de apartamentos em Aparecida de Goiânia

“O Governo de Goiás segue investindo em políticas públicas de capacitação e qualificação dos cidadãos. Tais esforços, consequentemente, resultam no direcionamento dos goianos para melhores oportunidades de emprego e aumento de renda, impulsionando cada vez mais o desenvolvimento econômico e social em nosso estado”, afirma o secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima.

Desocupação e desalentados
No último trimestre de 2023 a taxa de desocupação em Goiás foi de 5,6%, o menor desde o primeiro trimestre de 2015. O estado apresentou uma variação de 0,3 pontos percentuais na comparação com o trimestre anterior, com uma redução de cerca de 10 mil desocupados. No comparativo entre o quarto trimestre de 2023 com o mesmo período do ano anterior, onde a taxa de desocupação registrava 6,6%, houve uma variação de 1 ponto percentual, com a queda de 33 mil pessoas desocupadas no estado.

Já o número de pessoas desalentadas, ou seja, aquelas pessoas que estavam sem ocupação e não buscaram por um trabalho, foi o menor desde o quarto trimestre de 2015. A taxa de desalentados atingiu 1,1% em Goiás, no último trimestre de 2023, enquanto a média brasileira foi de 3,1%. No comparativo com o mesmo trimestre do ano anterior, o estado apresentou uma redução de 22 mil pessoas desalentadas.

READ  Previdência privada responde pelo sustento de 3% dos aposentados

Rendimento
O rendimento mensal habitual médio real em Goiás no último trimestre do ano apresentou variação de 1%, na comparação com o trimestre anterior, e atingiu o valor de R$ 3.047, superando pelo quarto trimestre consecutivo a média brasileira.

Ainda no último trimestre de 2023, a variação dos rendimentos, na comparação com o mesmo período do ano anterior, foi de 5,7%, valor que representou aumento de R$ 164. Nesse mesmo indicador, a média de crescimento do rendimento real no Brasil foi de 3,3%.

“O maior indicador de bem-estar do estado é a sua capacidade de gerar emprego, e, em 2023, esse indicador foi acompanhado pelo aumento da renda. Goiás apresenta um círculo virtuoso de crescimento, geração de emprego e aumento de renda que desejamos continuar observando ao longo de 2024”, destaca o diretor-executivo do IMB, Erik Figueiredo.

Fotos: Edinan Ferreira / Secretaria-Geral de Governo – Governo de Goiás

 

 

Comentários do Facebook
Propaganda

CIDADES

PLANTÃO POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

MAIS LIDAS DA SEMANA